Mercado

Nanotecnologia auxilia a avaliar novos clones de seringueira

 

Trabalho científico produzido pela Embrapa Instrumentação contribuiu para a identificação de 41 novas plantas, que já estão produzindo.

 

Pesquisadores da Embrapa Instrumentação (SP) auxiliam na seleção de clones de seringueira avaliando as qualidades técnicas de seu principal produto: a borracha natural. Os especialistas testam diversas propriedades da borracha fabricada com o látex de cada clone e selecionam aqueles que geraram produtos de melhor desempenho para a indústria.

Os resultados auxiliam programas de melhoramento genético a desenvolver clones de seringueira com alto valor agregado. Entre as linhas de pesquisa empregadas no trabalho está até a nanotecnologia, estudo em escala molecular que trabalha em dimensões cem mil vezes menores que o milímetro, também usada para o desenvolvimento de novos materiais a partir da borracha.

O trabalho científico contribuiu para a identificação de 41 novas plantas que já estão produzindo. Algumas delas apresentam alta produtividade e produção precoce. Enquanto a produção de uma seringueira convencional começa em média aos sete anos, os clones desenvolvidos em parceria com o Instituto Agronômico (IAC) começam a produzir em 5,5 anos.

“Aproximadamente 70% dos clones de seringueira que estão em produção registrados para plantio hoje no País foram avaliados e selecionados com apoio do nosso trabalho,” afirma pesquisadora da Embrapa Maria Alice Martins.

A pesquisa é conduzida por especialistas em novos materiais, a fim de agregar valor ao estudo agronômico. Desde meados dos anos 1990, é a única avaliação desse tipo no Brasil. No Laboratório de Látex e Borracha Natural da Embrapa Instrumentação, os pesquisadores avaliam, caracterizam e monitoram mais de 20 propriedades tecnológicas, físico-químicas, térmicas e estruturais, fundamentais para a melhoria do desempenho do produto final.

 

Leia também: Seringueiras são tratadas como atletas

Leia também: Conheça as pragas e doenças que afetam as seringueiras

 

Fonte: Jornal Agora MS

 

Redes Sociais