Mercado

Cientistas usam nanotecnologia para avaliar clones de seringueira

Cientistas usam nanotecnologia para avaliar clones de seringueira

Testes de qualidade da borracha orientam o melhoramento genético da seringueira.

 

Pesquisadores da Embrapa Instrumentação (SP) auxiliam na seleção de clones de seringueira avaliando as qualidades técnicas de seu principal produto: a borracha natural. Os especialistas testam diversas propriedades da borracha fabricada com o látex de cada clone e selecionam aqueles que geraram produtos de melhor desempenho para a indústria.

Os resultados auxiliam programas de melhoramento genético a desenvolver clones de seringueira com alto valor agregado. Entre as linhas de pesquisa empregadas no trabalho está até a nanotecnologia, estudo em escala molecular que trabalha em dimensões cem mil vezes menores que o milímetro, também usada para o desenvolvimento de novos materiais a partir da borracha.

O trabalho científico contribuiu para a identificação de 41 novas plantas que já estão produzindo. Algumas delas apresentam alta produtividade e produção precoce. Enquanto a produção de uma seringueira convencional começa em média aos sete anos, os clones desenvolvidos em parceria com o Instituto Agronômico (IAC) começam a produzir em 5,5 anos.

“Aproximadamente 70% dos clones de seringueira que estão em produção registrados para plantio hoje no País foram avaliados e selecionados com apoio do nosso trabalho,” afirma pesquisadora da Embrapa Maria Alice Martins.

A pesquisa é conduzida por especialistas em novos materiais, a fim de agregar valor ao estudo agronômico. Desde meados dos anos 1990, é a única avaliação desse tipo no Brasil. No Laboratório de Látex e Borracha Natural da Embrapa Instrumentação, os pesquisadores avaliam, caracterizam e monitoram mais de 20 propriedades tecnológicas, físico-químicas, térmicas e estruturais, fundamentais para a melhoria do desempenho do produto final.

A recomendação de um clone para plantio percorre um longo caminho. São necessários cerca de 30 anos de estudos. “Por isso, quatro clones da série IAC 500 foram recomendados para plantio em pequena escala, porque continuam sendo avaliados”, informa Gonçalves.

“A colaboração da Embrapa no desenvolvimento da performance da borracha natural é algo único no mundo. A gente tem uma joia. O setor produtivo precisa conhecer, demandar e apoiar mais esse trabalho, seja com interação ou mesmo com recursos”, afirma o diretor-executivo da Associação Paulista de Produtores e Beneficiadores de Borracha (Apabor), Diogo Esperante.

 

Leia também: Qual a diferença entre a borracha natural e a sintética?

Leia também: Conheça as pragas e doenças que afetam as seringueiras

 

Fonte: Primeira Página com informações do site Agora MS.

Redes Sociais