Mercado

Associações indígenas e de seringueiros de MT são beneficiados para implantação de projetos

Associações indígenas e de seringueiros de MT são beneficiados para implantação de projetos

A iniciativa fortalece a cadeia produtiva da farinha de mandioca, uma estratégia de diversificação da geração de renda para os associados, que já produzem castanha e borracha natural.

 

Comunidades indígenas e de seringueiros, localizadas nos municípios da região norte de Mato Grosso foram selecionadas na 1ª Convocatória de projetos do Programa CASA Amazônia e devem receber R$ 143 mil do Fundo Casa para serem investidos nos projetos desenvolvidos nestes locais.

Associação Indígena Rikbaktsa Tsirik é uma das contempladas e deve investir o recurso na produção de castanha. Com o projeto "Pitsikoso", que significa produção de castanha na língua Rikbaksta, a associação vai fortalecer a geração de renda para 80 famílias.

A comunidade, que fica no município de Juara, a 690 km de Cuiabá, está inserida no Plano de Gestão Territorial e Ambiental da Terra Indígena Japuíra que, com o apoio do programa Pacto das Águas, mantém a subsistência dos índios Rikbaksta.

Já na Reserva Extrativista Guariba Roosevelt, duas associações, localizadas nos municípios de Aripuanã e Colniza, também foram contempladas com os recursos. A Associação dos Moradores Agroextrativistas da Resex Guariba Roosevelt Rio Guariba (Amorar) vai investir na Casa de Farinha do Seringal.

Dessa forma, os associados vão fortalecer a cadeia produtiva da farinha de mandioca, uma estratégia de diversificação da geração de renda para os associados, que já produzem castanha e borracha natural.

 

Leia também: Qual a diferença entre a borracha natural e a sintética?

Leia também: Ásia pode render US$ 59 bi a mais para exportações do Brasil

 

Fonte: Primeira Página, com informações do site G1.

Redes Sociais